Estamos no seu:
Lembrar Apelido TVid

Globo Internacional (Europa)

  • Tópico criado por: nadjal
  • Páginas:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • Jonathan99

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 01/12/2021 às 17:52
    Autor: Jonathan99 Offline

    Em 01/12/2021, r2reis escreveu:

    Em 01/12/2021, Jonathan99 escreveu:

    Isso é o melhor para o assinante. A Globo Internacional chega a custar $20 em algumas operadoras. O Globoplay sai pela metade e sem a necessidade de tv a cabo, vários canais ao vivo (Multishow, GNT, GloboNews e PFC) que não tem nas TVs a cabo de fora...


    Globoplay está disponível lá fora com o mesmo conteúdo? Com certeza não. Questão de direitos de exibição.


    Não, tem só série nacional e filmes nacionais. Multishow e Gnt tem uma programação diferente quando passa algo que eles só tem direito no Brasil ( como alguma série ou show de fora).

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 05/12/2021 às 17:03
    Autor: TVtech Offline

    Em 28/11/2021, aapc01 escreveu:

    por serem a la carte ou com perfil específico, custam mais caro sim
    outras razões, demanda não compensa investimento, canais não disponibilizam sinal hd.



    Mas o que encarece um sinal HD em ser retransmitido? Precisa de mais infraestrutura? Pois na fonte já deve ser HD.

    TCM em SD não se justifica. Canal é da Turner. Todo os outros canais Turner são em HD.

    Modo estranho de fazer negócios, credo.


    Em 30/11/2021, WPBraga escreveu:

    Em 28/11/2021, TVlizer escreveu:

    Exatamente. E aqui no Brasil é a mesma coisa: pra ter canais internacionais de notícias e variedades de países que não sejam EUA, você precisa assinar o pacote mais completo.


    E o pior é que esses canais internacionais são todos em idioma original, sem legendas ou dublagens. Canais em alemão, japonês, coreano, chinês...

    Sem contar que a Globo fazia parte de uns serviços de TV por assinatura que, putz, era de matar. Em NY você precisava de TV via satélite. TV paga via a cabo nenhuma lá tinha Globo na época que precisei.


    Tenho uma prima que foi para os Estados Unidos antes de surgir a TV Globo Internacional. Ela dizia que assistia às novelas brasileiras em espanhol na Telemundo ou na Univision ou, caso quisesse assistir as novelas e demais programas em português, ela tinha que ir em videolocadoras brasileiras que disponibilizavam fitas VHS com os programas que estavam no ar aqui no Brasil. Maior burocracia.


    Então, acho que não tem como legendar CNN, BBC, Rai, etc, sendo que são canais com programação ao vivo. Agora nada impede que essas emissoras investissem em tradução simultânea no canal alternativo de audio. A pergunta que fica é: alguém está interessado em pagar mais por isso? Qual a porcentagem de aumento de audiência que esses canais teriam se tradução simultânea fosse adicionada? Justificaria o investimento?


    Será que a Univision e Telemundo ofereciam SAP com audio em português na época? Nunca tive a oportunidade de ver uma novela brasileira enquanto nos EUA fora uma vez que em um hotel vi A Escrava Isaura da Record num desses canais. Mas nem tive ideia de checar se tinha audio alternativo.

    Ah, as famosas fitas gravadas! Até no Japão tinha um mercadinho que os brasileiros poderiam ir comprar VHSs gravados com programação do Brasil. Parece que gerava troca entre vizinhos e tudo o mais. Hahaha! Impressionante como a demanda por conteúdo sempre existiu.

    Agora isso eu já não acho burocracia. É questão de tecnologia, demanda, e verba mesmo. A Globo não tinha como cavar um nicho lá e por programação no ar por conta própria, numa época em que estava cuidando de sua franca ascensão no Brasil mesmo. Tanto que a Globo Internacional, assim que viável, foi pro mercado internacional onde havia maior demanda primeiro. E aposto que a viabialização foi por parte de parcerias com empresas que alugaram bandas, equipamentos, etc. Aposto que a fatia embolsada era bem menor do que o streaming permitirá agora.

    O que acharia sacanagem, hoje em dia, seria eles se prenderem à modelos defasados de distribuição, sendo que um app da emissora em loja de apps tipo Android TV já resolveria o problema de todos.

    Em 01/12/2021, Freddie escreveu:

    Sim, antes de 99 quando a Globo Internacional entrou no ar era comum empresas tanto regularizadas como a Brazil Update como as piratas (que faliram com a chegada do canal) em NY, Canadá e no Japão encontrar fitas VHS vindas do Brasil com gravações caseiras de novelas da Globo, minisséries, dos jornais da casa, carnaval entre outras coisas que a emissora exibia.

    O contrato com a Brazil Update pendurou até a chegada da Globo Internacional quando ela ficou proibida de vender as fitas e sumiu do mapa. Mas ela chegou a vender conteúdo de outros canais também, porém com menos sucesso que a Globo.

    Tanto que acho que essa ideia do canal internacional veio também um pouco por conta do sucesso dessas fitas que eram encontradas em várias locadoras pra venda por conta dos brasileiros que queriam ver a emissora e não tinha como.


    Mas me diga uma coisa: as fitas eram VHSs piratas, gravados da TV, como os que citei acima, que eram encontrados em mercadinhos pelo continente asiático afora inclusive, ou era coisa legítima?

    Pois uma época, na era do Netflix apenas via correio, eu aluguei vários DVDs da Globo, como os de carnaval com narrações em inglês inclusive, pra mostrar pra amigos.

    Quesito pro qual sempre achei a Globo mal preparada foi mercado internacional. Tinham um produto forte como a Xuxa, mas tudo que era dela no exterior foi, na maioria, feito por empresas gringas. A Globo mal explorou tentar distribuir os discos dela pelo mundo.

    Os lançamentos em DVD da emissora foram uma piada também: legendas em português e olhe lá. Pelo menos metessem uma legendinha ali em inglês pra pessoas que tivessem interesse no Brasil, pra poder conhecer obras daqui. Se nos EUA tem mercado pra Bollywood com legendas em inglês, porque não teria para novelas?

    Vendiam novelas pra América Latina inteira, e nem legenda em espanhol os lançamentos tinham.

    Enquanto isso, Netflix vem aí com programação do mundo todo dublada e legendada em N idiomas.

    Globo perdeu inúmeras chances de ser uma potência em distribuição de conteúdo brasileiro para o mundo!

  • aapc01

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 05/12/2021 às 18:37
    Autor: aapc01 Offline

    Em 05/12/2021, TVtech escreveu:

    Em 28/11/2021, aapc01 escreveu:

    por serem a la carte ou com perfil específico, custam mais caro sim
    outras razões, demanda não compensa investimento, canais não disponibilizam sinal hd.



    Mas o que encarece um sinal HD em ser retransmitido? Precisa de mais infraestrutura? Pois na fonte já deve ser HD.

    TCM em SD não se justifica. Canal é da Turner. Todo os outros canais Turner são em HD.

    Modo estranho de fazer negócios, credo.


    Em 30/11/2021, WPBraga escreveu:

    Em 28/11/2021, TVlizer escreveu:

    Exatamente. E aqui no Brasil é a mesma coisa: pra ter canais internacionais de notícias e variedades de países que não sejam EUA, você precisa assinar o pacote mais completo.


    E o pior é que esses canais internacionais são todos em idioma original, sem legendas ou dublagens. Canais em alemão, japonês, coreano, chinês...

    Sem contar que a Globo fazia parte de uns serviços de TV por assinatura que, putz, era de matar. Em NY você precisava de TV via satélite. TV paga via a cabo nenhuma lá tinha Globo na época que precisei.


    Tenho uma prima que foi para os Estados Unidos antes de surgir a TV Globo Internacional. Ela dizia que assistia às novelas brasileiras em espanhol na Telemundo ou na Univision ou, caso quisesse assistir as novelas e demais programas em português, ela tinha que ir em videolocadoras brasileiras que disponibilizavam fitas VHS com os programas que estavam no ar aqui no Brasil. Maior burocracia.


    Então, acho que não tem como legendar CNN, BBC, Rai, etc, sendo que são canais com programação ao vivo. Agora nada impede que essas emissoras investissem em tradução simultânea no canal alternativo de audio. A pergunta que fica é: alguém está interessado em pagar mais por isso? Qual a porcentagem de aumento de audiência que esses canais teriam se tradução simultânea fosse adicionada? Justificaria o investimento?


    Será que a Univision e Telemundo ofereciam SAP com audio em português na época? Nunca tive a oportunidade de ver uma novela brasileira enquanto nos EUA fora uma vez que em um hotel vi A Escrava Isaura da Record num desses canais. Mas nem tive ideia de checar se tinha audio alternativo.

    Ah, as famosas fitas gravadas! Até no Japão tinha um mercadinho que os brasileiros poderiam ir comprar VHSs gravados com programação do Brasil. Parece que gerava troca entre vizinhos e tudo o mais. Hahaha! Impressionante como a demanda por conteúdo sempre existiu.

    Agora isso eu já não acho burocracia. É questão de tecnologia, demanda, e verba mesmo. A Globo não tinha como cavar um nicho lá e por programação no ar por conta própria, numa época em que estava cuidando de sua franca ascensão no Brasil mesmo. Tanto que a Globo Internacional, assim que viável, foi pro mercado internacional onde havia maior demanda primeiro. E aposto que a viabialização foi por parte de parcerias com empresas que alugaram bandas, equipamentos, etc. Aposto que a fatia embolsada era bem menor do que o streaming permitirá agora.

    O que acharia sacanagem, hoje em dia, seria eles se prenderem à modelos defasados de distribuição, sendo que um app da emissora em loja de apps tipo Android TV já resolveria o problema de todos.

    Em 01/12/2021, Freddie escreveu:

    Sim, antes de 99 quando a Globo Internacional entrou no ar era comum empresas tanto regularizadas como a Brazil Update como as piratas (que faliram com a chegada do canal) em NY, Canadá e no Japão encontrar fitas VHS vindas do Brasil com gravações caseiras de novelas da Globo, minisséries, dos jornais da casa, carnaval entre outras coisas que a emissora exibia.

    O contrato com a Brazil Update pendurou até a chegada da Globo Internacional quando ela ficou proibida de vender as fitas e sumiu do mapa. Mas ela chegou a vender conteúdo de outros canais também, porém com menos sucesso que a Globo.

    Tanto que acho que essa ideia do canal internacional veio também um pouco por conta do sucesso dessas fitas que eram encontradas em várias locadoras pra venda por conta dos brasileiros que queriam ver a emissora e não tinha como.


    Mas me diga uma coisa: as fitas eram VHSs piratas, gravados da TV, como os que citei acima, que eram encontrados em mercadinhos pelo continente asiático afora inclusive, ou era coisa legítima?

    Pois uma época, na era do Netflix apenas via correio, eu aluguei vários DVDs da Globo, como os de carnaval com narrações em inglês inclusive, pra mostrar pra amigos.

    Quesito pro qual sempre achei a Globo mal preparada foi mercado internacional. Tinham um produto forte como a Xuxa, mas tudo que era dela no exterior foi, na maioria, feito por empresas gringas. A Globo mal explorou tentar distribuir os discos dela pelo mundo.

    Os lançamentos em DVD da emissora foram uma piada também: legendas em português e olhe lá. Pelo menos metessem uma legendinha ali em inglês pra pessoas que tivessem interesse no Brasil, pra poder conhecer obras daqui. Se nos EUA tem mercado pra Bollywood com legendas em inglês, porque não teria para novelas?

    Vendiam novelas pra América Latina inteira, e nem legenda em espanhol os lançamentos tinham.

    Enquanto isso, Netflix vem aí com programação do mundo todo dublada e legendada em N idiomas.

    Globo perdeu inúmeras chances de ser uma potência em distribuição de conteúdo brasileiro para o mundo!


    parabéns pelo comentário

    resumiu bem a falta de estratégia da empresa

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 06/12/2021 às 12:28
    Autor: Freddie Offline

    Em 05/12/2021, TVtech escreveu:

    Mas me diga uma coisa: as fitas eram VHSs piratas, gravados da TV, como os que citei acima, que eram encontrados em mercadinhos pelo continente asiático afora inclusive, ou era coisa legítima?

    Pois uma época, na era do Netflix apenas via correio, eu aluguei vários DVDs da Globo, como os de carnaval com narrações em inglês inclusive, pra mostrar pra amigos.

    Quesito pro qual sempre achei a Globo mal preparada foi mercado internacional. Tinham um produto forte como a Xuxa, mas tudo que era dela no exterior foi, na maioria, feito por empresas gringas. A Globo mal explorou tentar distribuir os discos dela pelo mundo.

    Os lançamentos em DVD da emissora foram uma piada também: legendas em português e olhe lá. Pelo menos metessem uma legendinha ali em inglês pra pessoas que tivessem interesse no Brasil, pra poder conhecer obras daqui. Se nos EUA tem mercado pra Bollywood com legendas em inglês, porque não teria para novelas?

    Vendiam novelas pra América Latina inteira, e nem legenda em espanhol os lançamentos tinham.

    Enquanto isso, Netflix vem aí com programação do mundo todo dublada e legendada em N idiomas.

    Globo perdeu inúmeras chances de ser uma potência em distribuição de conteúdo brasileiro para o mundo!


    Eram legalizadas, eles tinham um acordo com uma empresa que gravava o conteúdo exibido aqui (novelas, futebol, minisséries, carnaval, os jornais, etc) e eles na empresa faziam várias cópias e distribuiam nos países, ai quem queria ver algo ia lá e comprava. Não tinha legendas porque é a mesma coisa da Globo Internacional algo dedicado ao público brasileiro que morava no exterior. E isso só começou mesmo porque tinha gente que morava no Brasil e antes da ideia da Globo e dessa empresa surgir pediam pra parentes gravarem as novelas e enviarem pra eles, ai foi surgindo uma copia aqui, outra ali... e vendo o potêncial a empresa fechou com a Globo e legalizou tudo.

    Das novelas exportadas, a emissora apenas vendia os capítulos já editados pra lá e ficava a cargo das emissoras que comprarem dublarem ou legendarem, mesmo esquema do SBT que compra as mexicanas da Televisa e manda pras empresas dublarem.

    A questão da Xuxa já é algo mais complexo e nem envolve a Globo na questão da distribuição, porque ela tinha contrato dos programas estrangeiros com a emissora de tal país, então vamos supor.. o programa que ela fez na Argentina tudo que eles queriam lançar como músicas no idioma, shows, etc... era tudo com eles, a Globo não podia mexer nisso, só no contrato dela com a própria emissora.

    Tanto é que nos Estados Unidos ela teve o seu programa em inglês nos moldes do Xou da Xuxa, só que tudo ficou a cargo da empresa que ela fechou contrato fazer as coisas como divulgação, lançamentos, etc. E ela até chegou a gravar músicas pra um álbum todo em inglês, mas nunca foi lançado devido o fim do contrato com a empresa... mas a mesma ainda chegou a lançar fitas VHS, bonecas e outros produtos com a marca dela.

    E a Globo pensou muito na Xuxa sempre como um produto brasileiro, não imaginou no sucesso que ela teria fora do país, tanto que o Boni na época falou que ela se tornou um produto maior que a Globo podia suportar... como eles não imaginavam esse "boom" dela fora do país e a Globo não tinha ainda a emissora internacional nem tinha como eles lançarem ela pra fora, ficava tudo a cargo dos outros países mesmo.

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 06/12/2021 às 13:37
    Autor: TVtech Offline

    Em 06/12/2021, Freddie escreveu:

    Em 05/12/2021, TVtech escreveu:

    Mas me diga uma coisa: as fitas eram VHSs piratas, gravados da TV, como os que citei acima, que eram encontrados em mercadinhos pelo continente asiático afora inclusive, ou era coisa legítima?

    Pois uma época, na era do Netflix apenas via correio, eu aluguei vários DVDs da Globo, como os de carnaval com narrações em inglês inclusive, pra mostrar pra amigos.

    Quesito pro qual sempre achei a Globo mal preparada foi mercado internacional. Tinham um produto forte como a Xuxa, mas tudo que era dela no exterior foi, na maioria, feito por empresas gringas. A Globo mal explorou tentar distribuir os discos dela pelo mundo.

    Os lançamentos em DVD da emissora foram uma piada também: legendas em português e olhe lá. Pelo menos metessem uma legendinha ali em inglês pra pessoas que tivessem interesse no Brasil, pra poder conhecer obras daqui. Se nos EUA tem mercado pra Bollywood com legendas em inglês, porque não teria para novelas?

    Vendiam novelas pra América Latina inteira, e nem legenda em espanhol os lançamentos tinham.

    Enquanto isso, Netflix vem aí com programação do mundo todo dublada e legendada em N idiomas.

    Globo perdeu inúmeras chances de ser uma potência em distribuição de conteúdo brasileiro para o mundo!


    Eram legalizadas, eles tinham um acordo com uma empresa que gravava o conteúdo exibido aqui (novelas, futebol, minisséries, carnaval, os jornais, etc) e eles na empresa faziam várias cópias e distribuiam nos países, ai quem queria ver algo ia lá e comprava. Não tinha legendas porque é a mesma coisa da Globo Internacional algo dedicado ao público brasileiro que morava no exterior. E isso só começou mesmo porque tinha gente que morava no Brasil e antes da ideia da Globo e dessa empresa surgir pediam pra parentes gravarem as novelas e enviarem pra eles, ai foi surgindo uma copia aqui, outra ali... e vendo o potêncial a empresa fechou com a Globo e legalizou tudo.

    Das novelas exportadas, a emissora apenas vendia os capítulos já editados pra lá e ficava a cargo das emissoras que comprarem dublarem ou legendarem, mesmo esquema do SBT que compra as mexicanas da Televisa e manda pras empresas dublarem.

    A questão da Xuxa já é algo mais complexo e nem envolve a Globo na questão da distribuição, porque ela tinha contrato dos programas estrangeiros com a emissora de tal país, então vamos supor.. o programa que ela fez na Argentina tudo que eles queriam lançar como músicas no idioma, shows, etc... era tudo com eles, a Globo não podia mexer nisso, só no contrato dela com a própria emissora.

    Tanto é que nos Estados Unidos ela teve o seu programa em inglês nos moldes do Xou da Xuxa, só que tudo ficou a cargo da empresa que ela fechou contrato fazer as coisas como divulgação, lançamentos, etc. E ela até chegou a gravar músicas pra um álbum todo em inglês, mas nunca foi lançado devido o fim do contrato com a empresa... mas a mesma ainda chegou a lançar fitas VHS, bonecas e outros produtos com a marca dela.

    E a Globo pensou muito na Xuxa sempre como um produto brasileiro, não imaginou no sucesso que ela teria fora do país, tanto que o Boni na época falou que ela se tornou um produto maior que a Globo podia suportar... como eles não imaginavam esse "boom" dela fora do país e a Globo não tinha ainda a emissora internacional nem tinha como eles lançarem ela pra fora, ficava tudo a cargo dos outros países mesmo.


    Então mas (em partes):

    - A questão de legendas eu levantei meramente sobre os produtos home video da Globo. Levando mesmo em consideração apenas os DVDs que começaram a lançar no início dos anos 2000, pois os VHSs, que a Globo chegou a colocar em locadoras brasileiras através da Globo Video, não fazia sentido legendar sendo que não dava pra "desligar" a legenda como acontece nos DVDs (embora closed caption já era realidade nos anos 90 em VHS). Todos os lançamentos da Globo em DVD foram em região 0, ou seja - livre, e legendas em inglês em espanhol teria aumentado o apelo do produto, e teria sido baixo custo pra eles investirem nisso. Mas enfim, mais uma amostra de falta de planejamento e visão pros produtos home video da marca.

    - Eu entendo que a produtora, no caso emissora/rede Globo, vende o produto editado e com faixas de trilhas e efeitos sonoros disponíveis em canal secundário, para que os compradores possam mandar para dublagem. Claro que não faria sentido a Globo contratar dubladores e já mandar o produto dublado, pois achar o talento por aqui seria impossível, e impratico tentar fazer isso lá fora. Isso eu nem jamais cogitei. Porém no caso citado por você, de SBT + Televisa, eles devem ter feito algum acordo com o estúdio de dublagem, e/ou SBT, pois quando as novelas foram para o canal TLN, estavam todas dubladas com o mesmo audio do SBT. A Globo poderia ter licenciado legendas (e até dublagens) de suas vendas no exterior para colocar em seus produtos home video. Outra falta de visão da empresa.

    - Sobre a Xuxa, eu vejo tudo mais como questão de perda de oportunidade. Por mais que a Globo não distribuiu o tal El Show De Xuxa, chegaram a vender sim os programas da Globo, que eram dublados em espanhol, até quando produtores do mercado latino americano viram o potencial em fazer uma versão já em espanhol, e o produto brasileiro deixou de ser comercializado. Uma coisa interessante: Xuxa fala português, ma em Portugal nunca teve uma presença. Um outro detalhe interessante, e aí eu não sei se é burrice da Xuxa Produções, é que a Globo detinha o formato, e o vendeu para alguns países. Na Argentina, antes da própria, tinha uma mulher que fazia El Clan De Patsy, onde a "cópia" era tão fiel, mas tão sem alma, que chegava ser bizarro ver uma mulher mais velha imitando até as poses de Xuxa em capas de discos.

    E assim, eu falo mais dessa coisa de Xuxa no exterior como uma oportunidade perdida pra Globo, e não uma questão de que a Globo deveria tê-la lançado no mercado internacional, até mesmo porque na época, e até hoje, Globo nem tem poderio para colocar produtos no exterior. Eles revendem o que fazem pro Brasil (a Globo Filmes é outro exemplo de potencial desperdiçado pois não distribuem nada lá fora, e nem fazem parcerias para produções pro mercado internacional). Sobre a Xuxa em si, a Globo poderia ter expandido a distribuição dos discos (Globo Records chegou a lançar alguns dos albuns internacionais dela), vender os filmes, etc. Eles poderiam, antes e mais nada, ter feito uma parceria para alavancar os ganhos tanto dela quanto os deles. O caso citado por você dos EUA está equívoco: o programa era propriedade da MTM, mas as bonecas eram da empresa Roseart. O programa era distribuído de forma independente, mas gravado nos estúdios CBS. Como vê, mesmo lá parceiras e contratos terceirizados são firmados. Foi nisso a maior bola fora da Globo: a falta de firmar parcerias. Foi perdida uma boa chance de financiar parte dessa empreitada, ter participações nos lucros, e darem a cara por terras estrangeiras como uma empresa que estava pronta pra cruzar mares e romper fronteiras. Tudo bem que quando falta estrutura, não dá pra querer oferecer serviço. Mas pelo menos na venda de mídia física, nossa, eles boiaram legal! Uma "parceriazinha" com a Som Livre teria feito milhões pra eles numa época que a Xuxa vendia LP aos montes em muitos países, e figurava na Forbes como uma das artistas mais ricas do mundo.

    P.S.- Queria achar algumas dessas fitas legalizadas no ebay ou mercadolivre. Compraria pra dar uma olhada na qualidade, ver como faziam as capas, etc. Agora consumir futebol gravado deve ser sido triste...

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 06/12/2021 às 17:13
    Autor: Freddie Offline

    Em 06/12/2021, TVtech escreveu:

    Então mas (em partes):

    - A questão de legendas eu levantei meramente sobre os produtos home video da Globo. Levando mesmo em consideração apenas os DVDs que começaram a lançar no início dos anos 2000, pois os VHSs, que a Globo chegou a colocar em locadoras brasileiras através da Globo Video, não fazia sentido legendar sendo que não dava pra "desligar" a legenda como acontece nos DVDs (embora closed caption já era realidade nos anos 90 em VHS). Todos os lançamentos da Globo em DVD foram em região 0, ou seja - livre, e legendas em inglês em espanhol teria aumentado o apelo do produto, e teria sido baixo custo pra eles investirem nisso. Mas enfim, mais uma amostra de falta de planejamento e visão pros produtos home video da marca.

    - Eu entendo que a produtora, no caso emissora/rede Globo, vende o produto editado e com faixas de trilhas e efeitos sonoros disponíveis em canal secundário, para que os compradores possam mandar para dublagem. Claro que não faria sentido a Globo contratar dubladores e já mandar o produto dublado, pois achar o talento por aqui seria impossível, e impratico tentar fazer isso lá fora. Isso eu nem jamais cogitei. Porém no caso citado por você, de SBT + Televisa, eles devem ter feito algum acordo com o estúdio de dublagem, e/ou SBT, pois quando as novelas foram para o canal TLN, estavam todas dubladas com o mesmo audio do SBT. A Globo poderia ter licenciado legendas (e até dublagens) de suas vendas no exterior para colocar em seus produtos home video. Outra falta de visão da empresa.

    - Sobre a Xuxa, eu vejo tudo mais como questão de perda de oportunidade. Por mais que a Globo não distribuiu o tal El Show De Xuxa, chegaram a vender sim os programas da Globo, que eram dublados em espanhol, até quando produtores do mercado latino americano viram o potencial em fazer uma versão já em espanhol, e o produto brasileiro deixou de ser comercializado. Uma coisa interessante: Xuxa fala português, ma em Portugal nunca teve uma presença. Um outro detalhe interessante, e aí eu não sei se é burrice da Xuxa Produções, é que a Globo detinha o formato, e o vendeu para alguns países. Na Argentina, antes da própria, tinha uma mulher que fazia El Clan De Patsy, onde a "cópia" era tão fiel, mas tão sem alma, que chegava ser bizarro ver uma mulher mais velha imitando até as poses de Xuxa em capas de discos.

    E assim, eu falo mais dessa coisa de Xuxa no exterior como uma oportunidade perdida pra Globo, e não uma questão de que a Globo deveria tê-la lançado no mercado internacional, até mesmo porque na época, e até hoje, Globo nem tem poderio para colocar produtos no exterior. Eles revendem o que fazem pro Brasil (a Globo Filmes é outro exemplo de potencial desperdiçado pois não distribuem nada lá fora, e nem fazem parcerias para produções pro mercado internacional). Sobre a Xuxa em si, a Globo poderia ter expandido a distribuição dos discos (Globo Records chegou a lançar alguns dos albuns internacionais dela), vender os filmes, etc. Eles poderiam, antes e mais nada, ter feito uma parceria para alavancar os ganhos tanto dela quanto os deles. O caso citado por você dos EUA está equívoco: o programa era propriedade da MTM, mas as bonecas eram da empresa Roseart. O programa era distribuído de forma independente, mas gravado nos estúdios CBS. Como vê, mesmo lá parceiras e contratos terceirizados são firmados. Foi nisso a maior bola fora da Globo: a falta de firmar parcerias. Foi perdida uma boa chance de financiar parte dessa empreitada, ter participações nos lucros, e darem a cara por terras estrangeiras como uma empresa que estava pronta pra cruzar mares e romper fronteiras. Tudo bem que quando falta estrutura, não dá pra querer oferecer serviço. Mas pelo menos na venda de mídia física, nossa, eles boiaram legal! Uma "parceriazinha" com a Som Livre teria feito milhões pra eles numa época que a Xuxa vendia LP aos montes em muitos países, e figurava na Forbes como uma das artistas mais ricas do mundo.

    P.S.- Queria achar algumas dessas fitas legalizadas no ebay ou mercadolivre. Compraria pra dar uma olhada na qualidade, ver como faziam as capas, etc. Agora consumir futebol gravado deve ser sido triste...


    Da Globo Video ou Marcas eu não posso falar porque eu nunca me aprofundei em ler ou ter um material deles, então essa questão não consigo levantar.

    Mas essa é a Rede Globo, eles nunca se preocuparam em firmar parcerias com algo que não lhes desse uns bons privilégios, posso até mesmo citar a empresa que exportava as fitas, assim que ela lançou o canal internacional ela largou de mão a parceria e proibiu a empresa de distribuir qualquer conteúdo seu (o que poderia até os ajudar, afinal chegar com um canal em outro país com tudo pronto não é fácil, demanda tempo, preparação e divulgação) mas eles romperam a parceria e ficou proibida qualquer coisinha do canal nas fitas da empresa. A real é que os donos da emissora sempre gostaram de trabalhar sozinhos e em último caso firmar parceria com o que como já disse lhe desse privilégios (mas isso tá mudando, aos poucos mais tá com essa nova gestão)

    E a emissora nunca viu no final dos anos 80 e começo dos 90 o mercado internacional como algo bom pra se atingir porque o foco era aqui, se tem uma coisa que a Globo sempre teve foi planejamento, não é atoa que se tornou uma das maiores do mundo, mas em algumas coisas como você citou que são as parcerias com o mercado de fora ela nunca pensou. Tava bom demais com seu canal internacional marcando a presença por lá, vendendo novelas pra outros canais e o resto ficava concentrado aqui mesmo.

    E eu concordo com você e acho que foi uma burrada deles que eram até bem centrados em fazer TV e vender como ninguém, produzir uma estrela que ficou maior que o canal mas nunca conseguiram colocar ela lá fora por eles mesmos, tanto que você citou que o programa deixou de ser comercializado quando as emissoras estrangeiras a chamaram pra trabalhar por conta própria e do jeito que ela queria.

    O fato é que eles só vinheram mesmo a se preocupar em atingir mercado internacional quando viram que tinham retorno, foi o caso da Globo Internacional e agora com o Globoplay (já que o canal tem público, mas como citei acima ainda preferem trabalhar sozinhos, vão largar as operadoras da Europa pra seguir com o streaming).

    E em relação as fitas tem um cara no Twitter que recebeu muitas delas e colocou diversas na internet, mas garanto que a qualidade não era a melhor coisa deles não haha! Por que como tinham um tempo eles priorizavam um maior espaço e gravavam e regravavam na velocidade LP.

    E futebol gravado deve ser a coisa mais bizarra que se tinha nessa "parceria", ainda mais na época em que se tinhamos uma seleção incrível, mas o costume em ouvir as narrações brasileiras eram maiores e muitos recorriam a isso mesmo tendo acesso aos jogos nas tvs estrangeiras.

  • aapc01

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 06/12/2021 às 17:39
    Autor: aapc01 Offline

    Em 06/12/2021, Freddie escreveu:

    Em 06/12/2021, TVtech escreveu:

    Então mas (em partes):

    - A questão de legendas eu levantei meramente sobre os produtos home video da Globo. Levando mesmo em consideração apenas os DVDs que começaram a lançar no início dos anos 2000, pois os VHSs, que a Globo chegou a colocar em locadoras brasileiras através da Globo Video, não fazia sentido legendar sendo que não dava pra "desligar" a legenda como acontece nos DVDs (embora closed caption já era realidade nos anos 90 em VHS). Todos os lançamentos da Globo em DVD foram em região 0, ou seja - livre, e legendas em inglês em espanhol teria aumentado o apelo do produto, e teria sido baixo custo pra eles investirem nisso. Mas enfim, mais uma amostra de falta de planejamento e visão pros produtos home video da marca.

    - Eu entendo que a produtora, no caso emissora/rede Globo, vende o produto editado e com faixas de trilhas e efeitos sonoros disponíveis em canal secundário, para que os compradores possam mandar para dublagem. Claro que não faria sentido a Globo contratar dubladores e já mandar o produto dublado, pois achar o talento por aqui seria impossível, e impratico tentar fazer isso lá fora. Isso eu nem jamais cogitei. Porém no caso citado por você, de SBT + Televisa, eles devem ter feito algum acordo com o estúdio de dublagem, e/ou SBT, pois quando as novelas foram para o canal TLN, estavam todas dubladas com o mesmo audio do SBT. A Globo poderia ter licenciado legendas (e até dublagens) de suas vendas no exterior para colocar em seus produtos home video. Outra falta de visão da empresa.

    - Sobre a Xuxa, eu vejo tudo mais como questão de perda de oportunidade. Por mais que a Globo não distribuiu o tal El Show De Xuxa, chegaram a vender sim os programas da Globo, que eram dublados em espanhol, até quando produtores do mercado latino americano viram o potencial em fazer uma versão já em espanhol, e o produto brasileiro deixou de ser comercializado. Uma coisa interessante: Xuxa fala português, ma em Portugal nunca teve uma presença. Um outro detalhe interessante, e aí eu não sei se é burrice da Xuxa Produções, é que a Globo detinha o formato, e o vendeu para alguns países. Na Argentina, antes da própria, tinha uma mulher que fazia El Clan De Patsy, onde a "cópia" era tão fiel, mas tão sem alma, que chegava ser bizarro ver uma mulher mais velha imitando até as poses de Xuxa em capas de discos.

    E assim, eu falo mais dessa coisa de Xuxa no exterior como uma oportunidade perdida pra Globo, e não uma questão de que a Globo deveria tê-la lançado no mercado internacional, até mesmo porque na época, e até hoje, Globo nem tem poderio para colocar produtos no exterior. Eles revendem o que fazem pro Brasil (a Globo Filmes é outro exemplo de potencial desperdiçado pois não distribuem nada lá fora, e nem fazem parcerias para produções pro mercado internacional). Sobre a Xuxa em si, a Globo poderia ter expandido a distribuição dos discos (Globo Records chegou a lançar alguns dos albuns internacionais dela), vender os filmes, etc. Eles poderiam, antes e mais nada, ter feito uma parceria para alavancar os ganhos tanto dela quanto os deles. O caso citado por você dos EUA está equívoco: o programa era propriedade da MTM, mas as bonecas eram da empresa Roseart. O programa era distribuído de forma independente, mas gravado nos estúdios CBS. Como vê, mesmo lá parceiras e contratos terceirizados são firmados. Foi nisso a maior bola fora da Globo: a falta de firmar parcerias. Foi perdida uma boa chance de financiar parte dessa empreitada, ter participações nos lucros, e darem a cara por terras estrangeiras como uma empresa que estava pronta pra cruzar mares e romper fronteiras. Tudo bem que quando falta estrutura, não dá pra querer oferecer serviço. Mas pelo menos na venda de mídia física, nossa, eles boiaram legal! Uma "parceriazinha" com a Som Livre teria feito milhões pra eles numa época que a Xuxa vendia LP aos montes em muitos países, e figurava na Forbes como uma das artistas mais ricas do mundo.

    P.S.- Queria achar algumas dessas fitas legalizadas no ebay ou mercadolivre. Compraria pra dar uma olhada na qualidade, ver como faziam as capas, etc. Agora consumir futebol gravado deve ser sido triste...


    Da Globo Video ou Marcas eu não posso falar porque eu nunca me aprofundei em ler ou ter um material deles, então essa questão não consigo levantar.

    Mas essa é a Rede Globo, eles nunca se preocuparam em firmar parcerias com algo que não lhes desse uns bons privilégios, posso até mesmo citar a empresa que exportava as fitas, assim que ela lançou o canal internacional ela largou de mão a parceria e proibiu a empresa de distribuir qualquer conteúdo seu (o que poderia até os ajudar, afinal chegar com um canal em outro país com tudo pronto não é fácil, demanda tempo, preparação e divulgação) mas eles romperam a parceria e ficou proibida qualquer coisinha do canal nas fitas da empresa. A real é que os donos da emissora sempre gostaram de trabalhar sozinhos e em último caso firmar parceria com o que como já disse lhe desse privilégios (mas isso tá mudando, aos poucos mais tá com essa nova gestão)

    E a emissora nunca viu no final dos anos 80 e começo dos 90 o mercado internacional como algo bom pra se atingir porque o foco era aqui, se tem uma coisa que a Globo sempre teve foi planejamento, não é atoa que se tornou uma das maiores do mundo, mas em algumas coisas como você citou que são as parcerias com o mercado de fora ela nunca pensou. Tava bom demais com seu canal internacional marcando a presença por lá, vendendo novelas pra outros canais e o resto ficava concentrado aqui mesmo.

    E eu concordo com você e acho que foi uma burrada deles que eram até bem centrados em fazer TV e vender como ninguém, produzir uma estrela que ficou maior que o canal mas nunca conseguiram colocar ela lá fora por eles mesmos, tanto que você citou que o programa deixou de ser comercializado quando as emissoras estrangeiras a chamaram pra trabalhar por conta própria e do jeito que ela queria.

    O fato é que eles só vinheram mesmo a se preocupar em atingir mercado internacional quando viram que tinham retorno, foi o caso da Globo Internacional e agora com o Globoplay (já que o canal tem público, mas como citei acima ainda preferem trabalhar sozinhos, vão largar as operadoras da Europa pra seguir com o streaming).

    E em relação as fitas tem um cara no Twitter que recebeu muitas delas e colocou diversas na internet, mas garanto que a qualidade não era a melhor coisa deles não haha! Por que como tinham um tempo eles priorizavam um maior espaço e gravavam e regravavam na velocidade LP.

    E futebol gravado deve ser a coisa mais bizarra que se tinha nessa "parceria", ainda mais na época em que se tinhamos uma seleção incrível, mas o costume em ouvir as narrações brasileiras eram maiores e muitos recorriam a isso mesmo tendo acesso aos jogos nas tvs estrangeiras.


    vou fazer uma pergunta de quem não acompanha a globo e vê o que ela está fazendo hoje para reverter resultados ruins.

    para vocês, como citado pelo Freddie, essa estratégia de se manter prioritariamente no mercado local, sem alavancar parcerias e mercado que ela teria no exterior, pode ser um dos motivos dos problemas que ela está sofrendo hoje?

    o que eu vejo é uma empresa que está perdendo audiência e com graves problemas de custos, tendo que mudar toda sua estratégia.

    se ela estivesse hoje com um mercado internacional em alta, por conta das produções dos últimos 30 anos para cá, poderia ter uma receita maior?

    vocês levantaram algo bem interessante. a globo pode ser uma das maiores do mundo mas por pertencer a um mercado regional, local, nas vacas magras não faz falta essas parcerias e mercado estrangeiro?

    realmente fiquei curioso.

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 06/12/2021 às 18:50
    Autor: r2reis Offline

    Sobre a Xuxa, há uma história (não comprovada) de que a carreira no exterior, particularmente nos EUA, não teria deslanchado por causa da "vida pregressa". Seria uma "má influência" para as crianças americanas.

  • aapc01

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 06/12/2021 às 18:53
    Autor: aapc01 Offline

    Em 06/12/2021, r2reis escreveu:

    Sobre a Xuxa, há uma história (não comprovada) de que a carreira no exterior, particularmente nos EUA, não teria deslanchado por causa da "vida pregressa". Seria uma "má influência" para as crianças americanas.


    lembro dessa história sim. na minha opinião, pode ter um fundo de verdade. lá eles são (eram?) radicais com pessoas que fazem entretenimento para crianças. mas, é só uma opinião

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 06/12/2021 às 19:45
    Autor: TVtech Offline

    Em 06/12/2021, Freddie escreveu:

    [...]

    Mas essa é a Rede Globo, eles nunca se preocuparam em firmar parcerias com algo que não lhes desse uns bons privilégios, posso até mesmo citar a empresa que exportava as fitas, assim que ela lançou o canal internacional ela largou de mão a parceria e proibiu a empresa de distribuir qualquer conteúdo seu (o que poderia até os ajudar, afinal chegar com um canal em outro país com tudo pronto não é fácil, demanda tempo, preparação e divulgação) mas eles romperam a parceria e ficou proibida qualquer coisinha do canal nas fitas da empresa. A real é que os donos da emissora sempre gostaram de trabalhar sozinhos e em último caso firmar parceria com o que como já disse lhe desse privilégios (mas isso tá mudando, aos poucos mais tá com essa nova gestão)

    E a emissora nunca viu no final dos anos 80 e começo dos 90 o mercado internacional como algo bom pra se atingir porque o foco era aqui, se tem uma coisa que a Globo sempre teve foi planejamento, não é atoa que se tornou uma das maiores do mundo, mas em algumas coisas como você citou que são as parcerias com o mercado de fora ela nunca pensou. Tava bom demais com seu canal internacional marcando a presença por lá, vendendo novelas pra outros canais e o resto ficava concentrado aqui mesmo.

    [...]

    E em relação as fitas tem um cara no Twitter que recebeu muitas delas e colocou diversas na internet, mas garanto que a qualidade não era a melhor coisa deles não haha! Por que como tinham um tempo eles priorizavam um maior espaço e gravavam e regravavam na velocidade LP.

    E futebol gravado deve ser a coisa mais bizarra que se tinha nessa "parceria", ainda mais na época em que se tinhamos uma seleção incrível, mas o costume em ouvir as narrações brasileiras eram maiores e muitos recorriam a isso mesmo tendo acesso aos jogos nas tvs estrangeiras.


    " afinal chegar com um canal em outro país com tudo pronto não é fácil, demanda tempo, preparação e divulgação"

    Eu acho que você está confundindo Globo Internacional com sucursal de Globo em outros países onde os jornalistas correspondentes dão expediente. Pois no que se refere ao canal internacional eu aposto que as operações poderiam ser feitas do próprio Brasil já que eles firmaram apenas acordos com operadoras de TV por assinatura que revenderam o sinal em suas praças. É o mesmo esquema de CNN, BBC, Rai, NHK aqui no Brasil: nem existem sucursais pros sinais internacionais dessas empresas aqui. Não tem essa de montar nada. É só acordo mesmo com as DirecTVs da vida. E na época já existia internet. Pelo próprio portal da Rede Globo era promovido. Brasileiros checavam a lista no site e descobriam que empresa distribuía o sinal em cada país. Aposto que eles nem gastaram com divulgação na imprensa internacional.

    Também não se pode confundir canal internacional da Globo com departamento da Globo que vende novelas pra outros canais estrangeiros. Uma empreitada se trata de sinal, outra se trata de conteúdo. Até onde sei a maioria dos novos clientes eram adquiridos através da feira MIPTV, onde a Globo marcava presença com stands de luxo, com cartazes das produções em inglês e tudo o mais.

    Sobre o conteúdo em VHS, pelo que vc descreveu, parece ser uma coisa horrorosa que a Globo fez bem em barrar. Um distribuidor gravar e regravar usando o mesmo VHS parece um terror. Achei que a coisa fosse mais profissa. E contratos de distribuição são rompidos ou não renovados o tempo todo. A Abril Video distribuiu Disney por um bom tempo, aí levou bota. Acontece.

    "E a emissora nunca viu no final dos anos 80 e começo dos 90 o mercado internacional como algo bom pra se atingir porque o foco era aqui" - vc se baseia em que dado quando afirma isso?

    Eu acho que o povo recorria ao futebol gravado não tanto pela narração, mas porque não tinha como assistir os campeonatos brasileiros nesses outros países. Paixões por certos times não são substituíveis, né. Até dava pra assistir alguns grandes campeonatos europeus e tal, mas imagina quem morava nos EUA e tinha que ver futebol de lá? Vixe...

    Em 06/12/2021, aapc01 escreveu:

    vou fazer uma pergunta de quem não acompanha a globo e vê o que ela está fazendo hoje para reverter resultados ruins.

    para vocês, como citado pelo Freddie, essa estratégia de se manter prioritariamente no mercado local, sem alavancar parcerias e mercado que ela teria no exterior, pode ser um dos motivos dos problemas que ela está sofrendo hoje?

    o que eu vejo é uma empresa que está perdendo audiência e com graves problemas de custos, tendo que mudar toda sua estratégia.

    se ela estivesse hoje com um mercado internacional em alta, por conta das produções dos últimos 30 anos para cá, poderia ter uma receita maior?

    vocês levantaram algo bem interessante. a globo pode ser uma das maiores do mundo mas por pertencer a um mercado regional, local, nas vacas magras não faz falta essas parcerias e mercado estrangeiro?

    realmente fiquei curioso.


    A Globo não pertence a um mercado regional. Ela pertence a um mercado nacional.

    E acho também risível achar que a Globo está mal a ponto da luz vermelha ser acionada. Acho que, como toda empresa de televisão, ela está se adaptando aos novos tempos, e fazendo um bom trabalho diga-se de passagem. Muitos tem insistido que o que está danando com ela é a dívida em dolares, mas ela tinha dívidas em dólares na época da inflação desenfreda e mesmo assim construiu Projac, profissionalizou muita coisa, lançou TV a cabo. O problema dela, a meu ver, é não entender seu público atual, e deixar certas decisões pra gente que nem lá deveria estar. Um amigo me disse que tem muito apadrinhamento quando se trata de fornecedores (mas o RJ inteiro é assim), e que é uma empresa tocada a papel e caneta, quando vivemos na era do smartphone.

    As parcerias internacionais teriam sido interessantes para se estabelecerem no mundo como uma grande produtora. Se eles focassem em desenvolver conteúdo, poderiam ter se transformado numa Endemol da vida, muito antes mesmo da Endemol nascer. A Globo chegou a vender o formato do Você Decide pra vários países que fizeram versões locais. Mas por que não venderam o formato de programa de auditório pra países que não tinham o know-how?

    Há outro problema na Globo também: muitas vezes eles copiaram coisas descaradamente. O No Limite foi um caso. Pagaram multa, e agora possuem a permissão para produzirem o quanto quiserem.

    Mas tudo, tudo, tudo isso que estamos abordando, é fichinha perto de tudo que dá certo pra ela. O monopólio não vem apenas por terem construído uma empresa sólida, mas também por serem Globo. Um passeio por lá, mesmo com alguns absurdos que vc pode notar em pessoa, mostra o como são gigantes. Falta a eles contratarem pessoas brilhantes e que promovam uma evolução, e não ficar gastando com cachê dos Lucianos Hucks da vida, e pagando multa da Netflix por Marcos Mion.

    Em 06/12/2021, r2reis escreveu:

    Sobre a Xuxa, há uma história (não comprovada) de que a carreira no exterior, particularmente nos EUA, não teria deslanchado por causa da "vida pregressa". Seria uma "má influência" para as crianças americanas.


    Bem, em todo país de língua espanhola que ela passou, foi um furacão. Deu mais que certo. Então carreira dela no exterior deslanchou sim. Agora, nos EUA, o problema principal dela foi... o idioma. E o outro problema que acabou com tudo foi um problema de saúde: coluna. Esse problema a tirou do trabalho por um bom tempo, porém na época a MTM vendeu o programa para os 5 continentes, e até no mundo árabe teve exibições do programa em inglês. Teve sim reportagens sensacionalistas em canais menores nos EUA falando que ela era sexy demais, que fez o tal Amor, Estranho Amor, mas isso nunca foi problema. O problema é que ela foi hospitalizada justamente no dia que iria dar entrevista pro Good Morning America sobre o lançamento do programa, e nada faz um produto passar despercebido na TV americana do que a falta de divulgação. O programa também era bem confuso, havia um choquinho cultural com brincadeiras estranhas que os americanos não estavam acostumados a verem. Faltou adaptar muita coisa pra realidade de lá. E a coisa toda foi uma decisão burra: de um estúdio ela recebeu convite pra fazer especiais e filmes, e da MTM ela recebeu o convite pra fazer uma versão do programa da Globo. A empresária dela deve ter achado que, por ela ter conseguido agradar países de língua latina com relativa facilidade, que o mesmo aconteceria nos EUA. Deu com os burros nágua. Não adianta chegar num mercado que te desconhece e tentar ser uma estrela famosa, e achar que todos vão instantaneamente se conectar com vc e/ou entender que você é uma bambambam da TV. O certo teria sido ela fazer parcerias com estrelas de lá, e aos poucos tentar se desvencilhar e fazer tudo solo. Outra que se danou nessa coisa de tentar chegar chegando foi a dupla Sandy e Junior, que amargaram no mercado americano e tiveram que voltar pro Brasil com os rabinhos bem no meio das pernas, e tentar vender o CD em inglês aqui. Nesse aspecto a cantora Anitta é a mais esperta que vi no últimos anos no que se trata de carreira fora do Brasil: primeiro ela começou no morro, do morro foi pro RJ inteiro, do RJ foi pro Brasil, do Brasil pra alguns países nas redondezas, depois foi expandindo... mas o tempo todo fazendo parcerias. Ela é surtada e insiste que quer ter uma carreira internacional, mas ela já toca na gringa. O que ela quer mesmo é ser famosa nos EUA. Acho dificíl, mas fez melhor que todas as amigas dela fizeram.

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 09:11
    Autor: josecr Offline

    Alguem sabe quantos assinantes a globo tem no mercado internacional?

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 12:00
    Autor: Phoenix60 Offline

    Em 30/11/2021, WPBraga escreveu:
    E o pior é que esses canais internacionais são todos em idioma original, sem legendas ou dublagens. Canais em alemão, japonês, coreano, chinês...



    É que se colocar legenda ou dublar, o canal cai naquela maldita Lei das Cotas, e é obrigado a incluir programas brasileiros em pleno horario nobre, um absurdo que simplesmente esculhambaria com o foco do canal... Ja se o canal nao oferecer nem legenda e nem dublagem em portugues, ele fica de fora dessa maldita Lei das Cotas, que deu sua cota de contribuicao (com trocadilho) para acabar com a TV Paga no Brasil...

    Coisas do Brasil e sua legislacao protecionista da peste...

    .

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 12:19
    Autor: Phoenix60 Offline

    Em 05/12/2021, TVtech escreveu:
    Mas o que encarece um sinal HD em ser retransmitido?


    Um canal HD vai consumir mais banda do que um canal SD... (Banda de satelite, banda da rede de tv a cabo, banda de internet... etc.). E banda custa dinheiro.


    Então, acho que não tem como legendar CNN, BBC, Rai, etc, sendo que são canais com programação ao vivo. Agora nada impede que essas emissoras investissem em tradução simultânea no canal alternativo de audio. A pergunta que fica é: alguém está interessado em pagar mais por isso? Qual a porcentagem de aumento de audiência que esses canais teriam se tradução simultânea fosse adicionada? Justificaria o investimento?


    No Brasil existe a maldita Lei das Cotas, e se os canais estrangeiros colocarem legenda ou audio em portugues, automaticamente eles serao obrigados a produzir um percentual de programas brasileiros e exibi-los em pleno horario nobre. Isso iria aumentar exponencialmente os custos do canal.


    Nunca tive a oportunidade de ver uma novela brasileira enquanto nos EUA


    Novela é um produto mal visto, de nivel "baixo", no mercado americano (tanto que sao exibidas apenas pela manhã ou à tarde). Novela latina nos EUA entao, so se for em um canal destinado ao publico latino...


    sempre achei a Globo mal preparada foi mercado internacional. Tinham um produto forte como a Xuxa, mas tudo que era dela no exterior foi, na maioria, feito por empresas gringas. A Globo mal explorou tentar distribuir os discos dela pelo mundo.


    A Xuxa nao passava de uma apresentadora de programa de distribuicao de premios para crianças (ou seja, merchandising infantil). No que isso poderia ser "forte" no mercado internacional?...

    Muito mais promissor seria tentar vender o TV Colosso...


    Se nos EUA tem mercado pra Bollywood com legendas em inglês, porque não teria para novelas?


    Porque o americano considera novela o tipo de producao roteirizada de mais baixo nivel que pode ser exibido na televisao... Um ator de "soap opera" é alguem menos considerado ainda do que um ator de seriado de tv aberta... E ainda vão comprar esse tipo de produto de outros paises? Lixo por lixo, eles mesmos produzem.



    .

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 12:24
    Autor: Phoenix60 Offline

    Em 06/12/2021, r2reis escreveu:
    Sobre a Xuxa, há uma história (não comprovada) de que a carreira no exterior, particularmente nos EUA, não teria deslanchado por causa da "vida pregressa". Seria uma "má influência" para as crianças americanas.

    Em 06/12/2021, aapc01 escreveu:
    lembro dessa história sim. na minha opinião, pode ter um fundo de verdade. lá eles são (eram?) radicais com pessoas que fazem entretenimento para crianças. mas, é só uma opinião



    Nos humoristicos, os americanos volta e meia safaneiam bastante (e criticam) as producoes latinas, principalmente essas para crianças, por causa do forte erotismo em tudo o que a gente produz na televisao (para compensar a falta de conteudo)... Nao lembra do episodio dos Simpsons, quando eles vieram ao Rio de Janeiro?... O Bart ficava assistindo na tv do hotel a um programa que era tipicamente o da Xuxa, com meninas jovens semi-nuas dançando ao fundo e a apresentadora loira quase nua, balançando os peitos e gemendo (umm ahhh!)... Aqueles caras realmente pesquisam e conhecem o país que vão safanear...


    .


  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 13:02
    Autor: TVtech Offline

    Em 07/12/2021, Phoenix60 escreveu:

    Em 05/12/2021, TVtech escreveu:
    Mas o que encarece um sinal HD em ser retransmitido?


    Um canal HD vai consumir mais banda do que um canal SD... (Banda de satelite, banda da rede de tv a cabo, banda de internet... etc.). E banda custa dinheiro.


    Então, acho que não tem como legendar CNN, BBC, Rai, etc, sendo que são canais com programação ao vivo. Agora nada impede que essas emissoras investissem em tradução simultânea no canal alternativo de audio. A pergunta que fica é: alguém está interessado em pagar mais por isso? Qual a porcentagem de aumento de audiência que esses canais teriam se tradução simultânea fosse adicionada? Justificaria o investimento?


    No Brasil existe a maldita Lei das Cotas, e se os canais estrangeiros colocarem legenda ou audio em portugues, automaticamente eles serao obrigados a produzir um percentual de programas brasileiros e exibi-los em pleno horario nobre. Isso iria aumentar exponencialmente os custos do canal.


    Nunca tive a oportunidade de ver uma novela brasileira enquanto nos EUA


    Novela é um produto mal visto, de nivel "baixo", no mercado americano (tanto que sao exibidas apenas pela manhã ou à tarde). Novela latina nos EUA entao, so se for em um canal destinado ao publico latino...


    sempre achei a Globo mal preparada foi mercado internacional. Tinham um produto forte como a Xuxa, mas tudo que era dela no exterior foi, na maioria, feito por empresas gringas. A Globo mal explorou tentar distribuir os discos dela pelo mundo.


    A Xuxa nao passava de uma apresentadora de programa de distribuicao de premios para crianças (ou seja, merchandising infantil). No que isso poderia ser "forte" no mercado internacional?...

    Muito mais promissor seria tentar vender o TV Colosso...


    Se nos EUA tem mercado pra Bollywood com legendas em inglês, porque não teria para novelas?


    Porque o americano considera novela o tipo de producao roteirizada de mais baixo nivel que pode ser exibido na televisao... Um ator de "soap opera" é alguem menos considerado ainda do que um ator de seriado de tv aberta... E ainda vão comprar esse tipo de produto de outros paises? Lixo por lixo, eles mesmos produzem.



    .



    Haha... se espremer as respostas e comentários acima, não dá 1% de coisa aproveitável.

    Quantos achismos absurdos. E quantos comentários em cima de coisas tiradas de contexto. Vixe!

    Tantas novelas americanas que já estão no ar há mais de 30 anos, tantos atores de Hollywood que comecaram nas ditas novelas, tantos atores que aparecem no horário nobre e já trabalharam nessas novelas de forma intermitente. Enfim... um nicho do mercado televisivo que tem exploração comercial forte, gera produtos derivados como sites e revistas, e é, na realidade, toda uma indústria dentro de outra.

    A pior análise sobre "americanos" é aquela feita por quem mal conhece a realidade de lá, e tem problemas com a realidade daqui.

    Mas enfim... falemos dos números de assinantes da Globo Internacional que foi a última pergunta feita a ver com o tema. Alguém sabe?

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 13:40
    Autor: Phoenix60 Offline

    Em 07/12/2021, TVtech escreveu:
    Haha... se espremer as respostas e comentários acima, não dá 1% de coisa aproveitável.

    Quantos achismos absurdos. E quantos comentários em cima de coisas tiradas de contexto. Vixe!



    Pior que nao é achismo e absurdo, nao, meu amigo...

    A unica coisa que voce pode me acusar é de conhecer apenas superficialmente o mercado latino (incluindo paises como Italia, Portugal e Espanha), e de realmente esquecer que "fazer sucesso internacional", pode se resumir meramente a fazer sucesso numa Argentina da vida e países similares.

    Porem o que eu disse do mercado americano, é basicamente aquilo mesmo... Nao é achismo, nao.

    Se voce imagina que a cultura brasileira pode fazer sucesso "facil" nos EUA, está muitisssimo enganado...


    Tantas novelas americanas que já estão no ar há mais de 30 anos, tantos atores de Hollywood que comecaram nas ditas novelas, tantos atores que aparecem no horário nobre e já trabalharam nessas novelas de forma intermitente. Enfim... um nicho do mercado televisivo que tem exploração comercial forte, gera produtos derivados como sites e revistas, e é, na realidade, toda uma indústria dentro de outra.


    Nada do que voce falou altera o que eu disse: ao contrario do Brasil, nos EUA o produto "novela" é considerado em um nivel baixo (mais baixo mesmo que o de seriados, que por sua vez já é mais baixo que o prestigio dado pelo cinema americano). Tradicionalmente um ator de novela por la é um "zero", nao tem prestigio algum, e é normalmente um ator profissionalmente ruim. Algo assim como um dublador no Brasil (que dificilmente e rarissimamente arruma trabalho como um verdadeiro ator).

    Agora, excecoes ocorrem em todas as áreas... Atores muito bem pagos (ainda que nao necessariamente bons atores) tambem sairam dos seriados de tv. Obvio! So que isso nao os torna a regra, eles continuam sendo a excecao.




    .

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 13:49
    Autor: Phoenix60 Offline

    Alias, uma diferença que as pessoas se esquecem, é que no Brasil (e em outros paises pobres de Terceiro Mundo) a novela é o PRINCIPAL produto da nossa televisao (ate por ser muito mais barata de produzir), sendo exibido no horario nobre.

    Ja na maioria dos paises desenvolvidos, que enxergam a novela como um produto "menor", novela é coisa para tapar buraco na programacao, e ser exibida nos horarios da manhã, tarde e madrugada.

    Nesses paises, novela nao é produto para o horario nobre da televisao. Nao tem prestigio algum.

    .

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 14:07
    Autor: Phoenix60 Offline

    Ah, e eu respondi a uma coisa que voce perguntou e ninguem mais foi capaz de lhe explicar, Leon (TV tech): os canais internacionais no Brasil nao legendam e nao dublam, porque se fizerem isso eles caem na Lei das Cotas, e passam a ser obrigados a exibir programa brasileiro no horario nobre (o que nao faz o menor sentido para um canal internacional).

    Tanto que antes da existencia desta maldita Lei do PT, os canais estrangeiros legendavam quando nada parte de suas programacoes...


    .

  • Avatar

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 15:25
    Autor: TVtech Offline

    Em 07/12/2021, Phoenix60 escreveu:

    Em 07/12/2021, TVtech escreveu:
    Haha... se espremer as respostas e comentários acima, não dá 1% de coisa aproveitável.

    Quantos achismos absurdos. E quantos comentários em cima de coisas tiradas de contexto. Vixe!



    Pior que nao é achismo e absurdo, nao, meu amigo...

    A unica coisa que voce pode me acusar é de conhecer apenas superficialmente o mercado latino (incluindo paises como Italia, Portugal e Espanha), e de realmente esquecer que "fazer sucesso internacional", pode se resumir meramente a fazer sucesso numa Argentina da vida e países similares.

    Porem o que eu disse do mercado americano, é basicamente aquilo mesmo... Nao é achismo, nao.

    Se voce imagina que a cultura brasileira pode fazer sucesso "facil" nos EUA, está muitisssimo enganado...


    Tantas novelas americanas que já estão no ar há mais de 30 anos, tantos atores de Hollywood que comecaram nas ditas novelas, tantos atores que aparecem no horário nobre e já trabalharam nessas novelas de forma intermitente. Enfim... um nicho do mercado televisivo que tem exploração comercial forte, gera produtos derivados como sites e revistas, e é, na realidade, toda uma indústria dentro de outra.


    Nada do que voce falou altera o que eu disse: ao contrario do Brasil, nos EUA o produto "novela" é considerado em um nivel baixo (mais baixo mesmo que o de seriados, que por sua vez já é mais baixo que o prestigio dado pelo cinema americano). Tradicionalmente um ator de novela por la é um "zero", nao tem prestigio algum, e é normalmente um ator profissionalmente ruim. Algo assim como um dublador no Brasil (que dificilmente e rarissimamente arruma trabalho como um verdadeiro ator).

    Agora, excecoes ocorrem em todas as áreas... Atores muito bem pagos (ainda que nao necessariamente bons atores) tambem sairam dos seriados de tv. Obvio! So que isso nao os torna a regra, eles continuam sendo a excecao.




    .



    Nos Estados Unidos, produtos latinos de grande sucesso, que tiveram suas origens no formato novela, foram adaptados para produções que foram exibidas no horário nobre da TV americana. Exemplos são Betty, A Feia e Joana, A Virgem. Pra produtores americanos não existe essa de produto inferior ou superior. Existe dinheiro. A CBS produz novelas, produz séries, produz reality shows, produz filmes, etc.

    Cultura brasileira já fez sucesso nos EUA em diversas ocasiões, como Bossa Nova, e o estilo brasileiro de fazer carne pode ser visto nas inúmeras churrascarias espalhadas pelos EUA afora. Tudo depende do que você entende como cultura (com frio na espinha penso que, pra você, assim como muitos outros, cultura é apenas cinema, literatura, etc, e ignora que "arroz e feijão" também é cultura, rs!). A cultura brasileira já se espalhou pelo mundo. Coisas brasileiras podem ser vistas em todo o mundo, inclusive Europa, Ásia, etc.

    Se vc estiver meramente falando de novela, os EUA não tem hábito de importar nada pronto de fora, eles fazem suas próprias versões, adaptam para sua cultura, visto os exemplos citados acima, e visto também até filmes como "O Segredo dos seus Olhos", obra argentina cuja adaptação com Julia Roberts nunca chegou aos pés do original argentino.

    Até aí, a Globo também defende a cultura brasileira como pode, e mesmo quando produziu, há quinquênios atrás, novelas de autores não brasileiros, eles adaptaram os textos e fizeram com atores locais. A Globo nunca exibiu uma produção estrangeira no horário nobre ao invés de suas novelas. Se as outras emissoras brasileiras fossem potências semelhantes, aposto que fariam igual. Se recorrem a algo estrangeiro, é por falta de verba. Uma época
    a Band até tentou adaptar sitcoms americanas com elenco brasileiro e adaptação. Não deu certo. Mas enfim: tentaram fazer o que fazem os americanos - adaptar.

    E TUDO o que eu disse altera o que vc disse. Só na sua cabecinha que não. Demi Moore, Brad Pitt, Morgan Freeman, entre outros, começaram em novelas. James Franco fez participação em uma novela uns 8 anos atrás para celebrar seu início em novelas. Chandra Wilson quando tem folga da série que faz no horário nobre, faz participações em novelas por curtir o produto. O que você confunde é que novela, nos EUA, vai ao ar durante o dia, ou seja: as pessoas estão no trabalho, e por isso não tem relevância pra maioria. Mas já tiveram séries, que iam ao ar em horário nobre lá, que tinham estrutura de novela e foram sucessos. Aí se pode citar Dinasty, e a recente Revenge. Por mais que sejam séries, tem a mesma estrutura de novela: uma personagem central com quem todos interagem, e o "novelo" se desenrola em torno dela.

    E depois de toda a revolução televisa que aconteceu ultimamente - Breaking Bad, Game of Thores, The Sopranos, Sex and the City, Nip/Tuc, etc etc etc - fica até ridículo você falar que seriados tem prestígo menor. Claro que o cinema tem mais glamur: se gasta MUITO MAIS pra fazer uma obra de 2hs que é exibida no mundo todo simultaneamente. Mas eu vivo no mundo de boas histórias: se é excelente, assisto de qualquer forma. E parece que Hollywood pensa igual visto que tantos astros, diretores, etc, todos tem pelo menos um "projetinho" que vai ser exibido num dos streamings da vida.

    Se você quer falar com seus achismos, fique à vontade, mas use fatos pra suportar seus argumentos. Eu fiz assim, e por isso estou sempre numa posição melhor pra falar sobre esses assuntos. Enquanto você partir do ponto do "eu acho", o argumento sempre soará raso.

    P.S. - me arrepiando aqui de pensar que vc incluiu Italia, Portugal e Espanha em mercado latino. Espero que tenha sido apenas gramática ruim.

    Em 07/12/2021, Phoenix60 escreveu:

    Ah, e eu respondi a uma coisa que voce perguntou e ninguem mais foi capaz de lhe explicar, Leon (TV tech): os canais internacionais no Brasil nao legendam e nao dublam, porque se fizerem isso eles caem na Lei das Cotas, e passam a ser obrigados a exibir programa brasileiro no horario nobre (o que nao faz o menor sentido para um canal internacional).

    Tanto que antes da existencia desta maldita Lei do PT, os canais estrangeiros legendavam quando nada parte de suas programacoes...


    .


    Hahaha... segue precisando refinar suas habilidades em leitura, hein? Vai interpretar texto mal assim lá no lá longe. Eu nunca perguntei nada sobre canais não legendados, então ninguém tem que precisar me explicar nada, pois eu não perguntei nada a respeito pra começo de conversa. Eu tenho TV a cabo praticamente desde que nasci, cidadão! Eu lembro inclusive da época em que não se tinha legendas em muitos canais.

    Agora, eu acho isso bonito? Claro que não. Se vendem aqui, tem que pelo menos oferecer um modo em que as pessoas possam acompanhar. Você pelo jeito acha lindo ver programação a qual nao se pode acompanhar. Duvido que você fale todos os idiomas dos canais de notícias internacionais.

    A única coisa que eu disse é que, baseado no que um colega falou (que ele achava que os canais de notícias deveriam ter legendas), eu opinei que seria impratico programação estrangeira, AO VIVO, ter legendas. Não tem como. E por isso sugeri tradução simultânea. E em seguida ponderei sobre a viabilidade da mesma.

    Botar a culpa no PT de não ter legendas me fez rir. Tudo é culpa do PT no Brasil pelo jeito. Hahahaha...

  • aapc01

    Globo Internacional (Europa)

    Operadora
    Postado em: 07/12/2021 às 16:11
    Autor: aapc01 Offline

    Em 07/12/2021, TVtech escreveu:

    Em 07/12/2021, Phoenix60 escreveu:

    Em 07/12/2021, TVtech escreveu:
    Haha... se espremer as respostas e comentários acima, não dá 1% de coisa aproveitável.

    Quantos achismos absurdos. E quantos comentários em cima de coisas tiradas de contexto. Vixe!



    Pior que nao é achismo e absurdo, nao, meu amigo...

    A unica coisa que voce pode me acusar é de conhecer apenas superficialmente o mercado latino (incluindo paises como Italia, Portugal e Espanha), e de realmente esquecer que "fazer sucesso internacional", pode se resumir meramente a fazer sucesso numa Argentina da vida e países similares.

    Porem o que eu disse do mercado americano, é basicamente aquilo mesmo... Nao é achismo, nao.

    Se voce imagina que a cultura brasileira pode fazer sucesso "facil" nos EUA, está muitisssimo enganado...


    Tantas novelas americanas que já estão no ar há mais de 30 anos, tantos atores de Hollywood que comecaram nas ditas novelas, tantos atores que aparecem no horário nobre e já trabalharam nessas novelas de forma intermitente. Enfim... um nicho do mercado televisivo que tem exploração comercial forte, gera produtos derivados como sites e revistas, e é, na realidade, toda uma indústria dentro de outra.


    Nada do que voce falou altera o que eu disse: ao contrario do Brasil, nos EUA o produto "novela" é considerado em um nivel baixo (mais baixo mesmo que o de seriados, que por sua vez já é mais baixo que o prestigio dado pelo cinema americano). Tradicionalmente um ator de novela por la é um "zero", nao tem prestigio algum, e é normalmente um ator profissionalmente ruim. Algo assim como um dublador no Brasil (que dificilmente e rarissimamente arruma trabalho como um verdadeiro ator).

    Agora, excecoes ocorrem em todas as áreas... Atores muito bem pagos (ainda que nao necessariamente bons atores) tambem sairam dos seriados de tv. Obvio! So que isso nao os torna a regra, eles continuam sendo a excecao.




    .



    Nos Estados Unidos, produtos latinos de grande sucesso, que tiveram suas origens no formato novela, foram adaptados para produções que foram exibidas no horário nobre da TV americana. Exemplos são Betty, A Feia e Joana, A Virgem. Pra produtores americanos não existe essa de produto inferior ou superior. Existe dinheiro. A CBS produz novelas, produz séries, produz reality shows, produz filmes, etc.

    Cultura brasileira já fez sucesso nos EUA em diversas ocasiões, como Bossa Nova, e o estilo brasileiro de fazer carne pode ser visto nas inúmeras churrascarias espalhadas pelos EUA afora. Tudo depende do que você entende como cultura (com frio na espinha penso que, pra você, assim como muitos outros, cultura é apenas cinema, literatura, etc, e ignora que "arroz e feijão" também é cultura, rs!). A cultura brasileira já se espalhou pelo mundo. Coisas brasileiras podem ser vistas em todo o mundo, inclusive Europa, Ásia, etc.

    Se vc estiver meramente falando de novela, os EUA não tem hábito de importar nada pronto de fora, eles fazem suas próprias versões, adaptam para sua cultura, visto os exemplos citados acima, e visto também até filmes como "O Segredo dos seus Olhos", obra argentina cuja adaptação com Julia Roberts nunca chegou aos pés do original argentino.

    Até aí, a Globo também defende a cultura brasileira como pode, e mesmo quando produziu, há quinquênios atrás, novelas de autores não brasileiros, eles adaptaram os textos e fizeram com atores locais. A Globo nunca exibiu uma produção estrangeira no horário nobre ao invés de suas novelas. Se as outras emissoras brasileiras fossem potências semelhantes, aposto que fariam igual. Se recorrem a algo estrangeiro, é por falta de verba. Uma época
    a Band até tentou adaptar sitcoms americanas com elenco brasileiro e adaptação. Não deu certo. Mas enfim: tentaram fazer o que fazem os americanos - adaptar.

    E TUDO o que eu disse altera o que vc disse. Só na sua cabecinha que não. Demi Moore, Brad Pitt, Morgan Freeman, entre outros, começaram em novelas. James Franco fez participação em uma novela uns 8 anos atrás para celebrar seu início em novelas. Chandra Wilson quando tem folga da série que faz no horário nobre, faz participações em novelas por curtir o produto. O que você confunde é que novela, nos EUA, vai ao ar durante o dia, ou seja: as pessoas estão no trabalho, e por isso não tem relevância pra maioria. Mas já tiveram séries, que iam ao ar em horário nobre lá, que tinham estrutura de novela e foram sucessos. Aí se pode citar Dinasty, e a recente Revenge. Por mais que sejam séries, tem a mesma estrutura de novela: uma personagem central com quem todos interagem, e o "novelo" se desenrola em torno dela.

    E depois de toda a revolução televisa que aconteceu ultimamente - Breaking Bad, Game of Thores, The Sopranos, Sex and the City, Nip/Tuc, etc etc etc - fica até ridículo você falar que seriados tem prestígo menor. Claro que o cinema tem mais glamur: se gasta MUITO MAIS pra fazer uma obra de 2hs que é exibida no mundo todo simultaneamente. Mas eu vivo no mundo de boas histórias: se é excelente, assisto de qualquer forma. E parece que Hollywood pensa igual visto que tantos astros, diretores, etc, todos tem pelo menos um "projetinho" que vai ser exibido num dos streamings da vida.

    Se você quer falar com seus achismos, fique à vontade, mas use fatos pra suportar seus argumentos. Eu fiz assim, e por isso estou sempre numa posição melhor pra falar sobre esses assuntos. Enquanto você partir do ponto do "eu acho", o argumento sempre soará raso.

    P.S. - me arrepiando aqui de pensar que vc incluiu Italia, Portugal e Espanha em mercado latino. Espero que tenha sido apenas gramática ruim.

    Em 07/12/2021, Phoenix60 escreveu:

    Ah, e eu respondi a uma coisa que voce perguntou e ninguem mais foi capaz de lhe explicar, Leon (TV tech): os canais internacionais no Brasil nao legendam e nao dublam, porque se fizerem isso eles caem na Lei das Cotas, e passam a ser obrigados a exibir programa brasileiro no horario nobre (o que nao faz o menor sentido para um canal internacional).

    Tanto que antes da existencia desta maldita Lei do PT, os canais estrangeiros legendavam quando nada parte de suas programacoes...


    .


    Hahaha... segue precisando refinar suas habilidades em leitura, hein? Vai interpretar texto mal assim lá no lá longe. Eu nunca perguntei nada sobre canais não legendados, então ninguém tem que precisar me explicar nada, pois eu não perguntei nada a respeito pra começo de conversa. Eu tenho TV a cabo praticamente desde que nasci, cidadão! Eu lembro inclusive da época em que não se tinha legendas em muitos canais.

    Agora, eu acho isso bonito? Claro que não. Se vendem aqui, tem que pelo menos oferecer um modo em que as pessoas possam acompanhar. Você pelo jeito acha lindo ver programação a qual nao se pode acompanhar. Duvido que você fale todos os idiomas dos canais de notícias internacionais.

    A única coisa que eu disse é que, baseado no que um colega falou (que ele achava que os canais de notícias deveriam ter legendas), eu opinei que seria impratico programação estrangeira, AO VIVO, ter legendas. Não tem como. E por isso sugeri tradução simultânea. E em seguida ponderei sobre a viabilidade da mesma.

    Botar a culpa no PT de não ter legendas me fez rir. Tudo é culpa do PT no Brasil pelo jeito. Hahahaha...


    a lei que obriga a ter conteúdo brasileiro em canais que tenham dublagens, traduções ou legendas foi criada por um petista e votada durante o governo petista.

    isso não é verdade?

    se puder esclarecer agradeço.

    e só pergunto pois essa questão tem a ver com televisão e aspectos que impactaram que canais estrangeiros viessem ao país. isso é fato.
    não podemos/devemos falar de política aqui. mas a lei, infelizmente criada para ser antiamericana, acabou com a tv paga e a possibilidade de novos canais, principalmente europeus.

    e deixando claro que canais para fugirem dessa obrigação, não podem ter nenhum tipo de tradução, seja legendas, dublagem ou tradução simultanea.

    abs

  • Páginas:
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
As publicações desta página são unicamente de responsabilidade de seus autores, de acordo com os Termos de Uso da TV Magazine.

Busca no Fórum

Agenda de Canais

  • Atualize-nos: informe a TV Magazine sobre sinais abertos, alterações de canais e line-ups na sua cidade, seja TV aberta ou paga.

Fale Conosco

Dúvidas, ideias, sugestões, elogios ou críticas?
Queremos ouvir você!

© 2022 - TV Magazine, todos os direitos reservados. Programação da TV fornecida por Revista Eletrônica.
Proibida a cópia parcial ou total deste conteúdo sem prévia autorização expressa.